Home   >   notícias   >     >   Manipulador uterino promete aumentar o volume de cirurgias minimamente invasivas na ginecologia

Manipulador uterino promete aumentar o volume de cirurgias minimamente invasivas na ginecologia

Postado em: 4 de novembro, 2013

Manipulador uterino promete aumentar o volume de cirurgias minimamente invasivas na ginecologia

Presidente da Sociedade Brasileira de Endometriose, Mauricio Abraão, menciona que com o lançamento do RUMI II System o intuito é de dobrar o volume de cirurgias em cinco anos
Cada vez mais o Brasil tem realizado cirurgias minimamente invasivas em ginecologia. Rumi II- KohEfficient (3)É o que diz o presidente
 da Sociedade Brasileira de Endometriose, Mauricio Abrão, diretor do setor de Endometriose da Universidade de São Paulo (USP).
Segundo o especialista, a luta da Sociedade Brasileira de Endometriose e Ginecologia Minimamente Invasiva (SBE) é para que nos próximos cinco anos o país aumente significativamente o volume do procedimento que assegura à mulher mais segurança com rápida recuperação. O mecanismo que estava faltando para os médicos pudessem optar pela cirurgia minimamente invasiva era um sistema de manipulação uterino.
“Ultimamente os avanços tecnológicos tem nos ajudado muito a realizar cirurgias minimamente invasivas de forma mais segura e mais completa”, destaca o especialista, ao citar que o manipulador uterino RUMI II System, lançado neste mês pela BMR Medical, permite, por exemplo, uma histerectomia por vídeo-laparoscopia do início ao fim, produto que até então não existia.
“Se para os médicos o instrumento é um facilitador, para as pacientes o procedimento fica ainda melhor porque diminui o risco cirúrgico, contribui para a segurança e melhora na recuperação”, analisa Dr. Abrão.
O sistema de manipulação uterino é indicado para a realização de histerectomias e para o tratamento de doenças prevalentes como a endometriose. Atende ainda miomectomias, casos de câncer ginecológicos e até cirurgia dos anexos, ovários e trompas de Falópio.
Nos Estados Unidos, a histerectomia é o segundo procedimento mais comum, excluindo a cesariana, entre as mulheres em idade reprodutiva.
De acordo com o gerente nacional e Hérnia e Prolapso da BMR Medical, Luiz Gil, a BMR Medical procura trazer instrumentos inovadores para o Brasil porque faz parte da missão da empresa trabalhar com produtos médico-hospitalares que agreguem qualidade e segurança. O RUMI II System foi aprovado e registrado pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

Sobre a BMR Medical
Com a missão de desenvolver produtos de alta qualidade e tecnologia, a fabricante paranaense BMR Medical soma, atualmente, mais de 250 produtos destinados à oncologia, hematologia, analgesia, cirurgia bariátrica, cirurgia do aparelho digestivo, cirurgia plástica, cirurgia vascular, dermatologia, ginecologia e urologia.
Com unidade fabril situada na cidade de Campina Grande do Sul, região metropolitana de Curitiba, a planta industrial possui seis mil metros quadrados de área construída, de um total de 37 mil metros quadrados. A fábrica da BMR Medical atua com as maiores certificações internacionais e nacionais, como o FDA norte-americano, Comunidade Europeia e Anvisa.
A empresa é membro da Associação Brasileira dos Importadores de Equipamentos, Produtos e Suprimentos Médico-Hospitalares (ABIMED) e da Associação Brasileira da Indústria de Artigos e Equipamentos Médicos, Odontológicos, Hospitalares e de Laboratórios (ABIMO).
Área de atuação: fabricação, desenvolvimento, comercialização, exportação e importação.
Assistência: pré-venda e pós-venda.

Artigo salvo em: